Poemas Publicados V

MARIA DOS PRAZERES

Cada vez que me possuem

Cada vez fico mais pura

Mais casta

Mais virgem

Cada vez que fico nua

Cada vez sou mais louvada

Beijada

Aleluia

Cada vez que eu me entrego

Cada vez eu sou mais santa

Mais Salve

Rainha

Cada vez que estou parindo

Cada vez eu sou mais máter

Mais Ave

Maria.

____________________

MEMÓRIA AFETIVA

para Lúcia de Aquário

Nós, que começamos ninfetas colonizadas.

Com a  paixão que precede a reflexão nos juntamos

em busca dos seres das lendas, pois que tínhamos a crença

e a carne para o adverso.

Nós que tínhamos o mesmo ciclo de 28 dias

o mesmo pique que enfatiza as virgens

éramos as perdedoras que adquiriam existencialismo.

Nós que debulhamos rosários

choramos martinis

consertamos antidistônicos

afrouxamos a sexualidade

ovulamos, pecamos.

Nós, que experimentamos.

O primeiro luís

e o vestido branco para sempre

no baú tão mútuo de recordações e antíteses

– explicamos que éramos de um signo do ar –

por isso as coincidências.

E comprovamos que não existiam andrômedas

por isso os contrários.

E os cometas, as falsetas.

Jogamos I-Ching, decalcamos borboletas raras em nossos rostos fabricamos caleidoscópios de mentira

fomos parceiras dos órfãos das chocadeiras.

Nos socializamos como excepcionais e sobreveio a arte:

onde antes uma parede nua teus primeiros desenhos certeiros

e meus versos decididamente partidários.

E então veio a epopéia

Marte, Saturno, Plutão

com sua algazarra de guerra surda e muda

sua pose de senhor dos cachorros

seus ditames, certames, reclames, toques de recolher.

E os amores fugiram e deixaram recados

e ninguém molhou as plantas que cresciam com raiva.

Fugiram todos da lacrimogenia

e ficou de ser solitário cada coração no peito

aguardando amor de salvação,

a barriga repleta de filhos alheios

e queridos e temidos e abortados na construção.

Era preciso neutralizar nossos sonhos

(uma questão de método, soubemos depois)

decorar todos os nomes da inevitável terapia

engolir as panacéias

antes que nos enjaulassem como dorotéias

por sonhos mal redigidos.

Que saída!

Entre a vesânia e o pudor

entre a licença e o voto vencido

os astros contra

Deus contra

entre a cruz e a cruz

entre um amor mal dormido e um motim popular

entre o ácido e o doce

pela moda feminina de cor azul

ou o porte de cavalo de corrida?

Demos um tempo antes do próximo martini

– um último amor que fugiu pela janela

um caso que não vingou.

Mas um equilíbrio muito particular se deu

entre o mercúrio cromo e ferida.

Hoje, enquanto você nos desenha

– figuras de estilo, marcadas em crayon e nanquim

múltiplas mulheres de engenharia sutil

– escrevo em linhas tortas nossas humanidades

que a espoliação é o trivial simples que já doeu

e que por vivência ou intimidade seguimos

com a bagagem toda

rimando tudo, colorindo tudo, repetindo tudo

como já estava previsto.

Que aí no Leme o mar é teu

que eu te dou e escrevo e assino embaixo.

Que a Esplanada é minha, pasto dos meus carneiros.

Que reviver se escreve de trás para diante.

Que as lágrimas são uma constante das variáveis.

Que tanto faz definir quem é poeta, quem é pintor

queremos é apanhar vento e modificar o vento.

____________________

FEMININO INDEFINIDO SINGULAR

quisera ser a mulher amada

que faz amor que faz sofrer

que é sempre causa e se faz viver

que é vida e tempo e se faz morrer

que é sempre medo e se faz temer

que é pura e casta e se faz pecar

que é forte e  bela e se faz chorar

que é carne e osso e se faz desejar

que é ré culpada e se faz perdoar

que tem pudor e se faz despir

que é mulher e se faz fingir

que é lua e noite e se faz dormir

que pensando em ficar se faz partir

que é divina e se faz tangível

que sendo virgem se faz possível

que é à-toa e se faz difícil

que é mentirosa mas se faz crível.

____________________

AMOR (II)

De repente

despiu-se e insistiu no rito

varou a noite e gozou

num óvulo que não menstruou.

____________________

AMOR (III)

Meu provável sorriso

do beco

do sarro

da fome

eu já te amo.

____________________

AMOR (IV)

Não delira.

Apenas observa a realidade

do coração plastificado.

____________________

AMOR (V)

E o marido

caiu no ostracismo.

Nesse dia não houve abalo sísmico

nem repicaram sinos

mas passou um mirage rompendo a barreira do som.

____________________

Anúncios